Empreendedorismo com Coragem

Empreendedorismo com Coragem

Tomar a decisão de empreender vai (ou deveria ir) muito além do desejo de ser o patrão do próprio negócio. Empreendedorismo com Coragem é tomar uma decisão de enfrentar dragões, escalar montanhas gigantes, objetivando: traçar metas ousadas e antes não imaginadas por você. Digo isso porque há alguns anos o sonho da maioria das pessoas era ter um bom emprego ou cargo de liderança em uma grande corporação, não que isso seja ruim ou não caracterize empreendedorismo, mas comparado ao ato de enfrentar o mercado a frente de seu próprio negócio, um bom emprego pode te impor limites se você pensa grande.

Pensar grande“… Essa expressão por si só já possui uma grandeza (perdoe a redundância) impressionante, pois ela tem o poder de te fazer se sentir o próprio Super Sayajin (ou o Jiraya, pros “das antigas”), e essa força deve ser o combustível para um empreendedor adquirir coragem. Falo isso com a propriedade de quem tem quase 10 registros (se não me falha a memória) na CTPS e agora, aos 27 anos, tomou essa tal decisão depois de muito “bater a cabeça contra a parede”.

Sempre imaginei que meu pensamento estava além das funções que eu tinha, não desmerecendo nenhuma, aliás, aprendi MUITO em todas elas, mas é que em todos os empregos que tive, meu maior problema era o medo de inovar, por parte das empresas, que enfrentei sempre que apresentava uma ideia. Em muitos momentos cheguei até a questioná-las, mas logo cheguei a conclusão de que estava errando, e feio. Nunca questione se sua ideia é boa ou não, pois há quem “compre”, acredite. Talvez seja necessário ajustes e adaptações, mas descartá-la NUNCA, até porque em pouco tempo vai aparecer alguém que vai ganhar muito dinheiro com a mesma ideia ou algo semelhante. Tiro pelo meu irmão que há 2 anos atrás tinha pensado num “Instagram de vídeos curtos” e nada fez, o Vine foi lá e fez, e o Instagram também.

Empreender te dá a liberdade de tomar as decisões sobre o (seu) negócio, definir as estratégias, administrar… Mas de nada vai adiantar se você não conhecer o “terreno onde está pisando”, isso é Sun Tzu (A Arte da Guerra) puro e na veia. Conhecer o terreno onde se está pisando é saber sobre o mercado em que pretende atuar, é “manjar dos paranauês” do processo produtivo, é estar por dentro das técnicas utilizadas para executar o serviço, é transbordar-se de conhecimento. E conhecimento, sabemos, nunca é demais.

Costumo dizer que hoje em dia só não estuda quem não quer. E tenho vários argumentos para isso, aliás, a internet fala por mim. É possível, sim, tomar conhecimento das mais diversas áreas sem precisar de grandes deslocamentos e estruturas, basta um computador ou até mesmo um smartphone conectados à internet e o mundo do conhecimento bate a sua porta, ferramentas e instituições de ensino pra isso existe e em um número quase que imensurável.

Muitos dizem que coragem e persistência são essenciais para um empreendedor atingir o sucesso, mas eu vou além: conhecimento é fundamental, ele é a base, o que te dará sustentação nos experimentos e testes com produtos ou serviços novos. No processo de validação de uma startup, o conhecimento do mercado em questão fará com que este processo tenha influência decisiva no futuro do negócio, é quase como uma vidência. Aliás, o acúmulo de dados e informações estruturadas muitas vezes exerce um papel de “Walter Mercado” na sua estratégia, ou seja, lhe orienta a quais decisões tomar e ainda pode prevenir alguns cenários hostis se for o caso.

Esteja sempre atualizado com o que acontece ao seu redor, oportunidades não costumam avisar quando vão aparecer, seu “sentido-aranha” deve estar em dia para lhe despertar e você tem de ir atrás delas, não tenha medo, de repente uma matéria sobre algo que nada tem a ver com o seu business pode trazer um insight daqueles de mudar os rumos dos negócios e colocá-los num melhor caminho. O empreendedor de MMN Júlio Miranda da Fazer Hinode é um exemplo de líder a ser seguido quando o assunto a capacitação da sua equipe, que corresponde com resultados acima das metas. 

Difícil falar de coragem em empreendedorismo sem “ser motivacional”, mas em valores diretamente proporcionais, falar de “pés no chão” é indispensável.

Sonhar é bom, isso é o que nos motiva a enfrentar os desafios frequentes, no entanto saber o que quer e onde se quer chegar faz com que seus sonhos se tornem tangíveis e deixem de ser desejos para se tornarem objetivos.

Erick Lima – Consultor de Marketing Digital com foco em Business Inteligence e Empreendedor na área de desenvolvimento de aplicativos web e mobile.

Esta gostando do conteúdo? Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram

Veja também: